Um Blogue sobre livros, poesia, filmes, tecnologias informáticas e cultura.

A Blog about books, poetry, films, computer technology and culture.

Translate

Pesquisar / Search

Seguir por E-mail / Follow by Email

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Poesia na Butaca / Poetry in the Armchair: António Gil - Balada da Neve / Ballad of the Snow

A Butaca / The Armchair



Por estes lados ainda não chove, mas faz muito frio, por isso me lembrei do poema Balada da Neve. 



Batem leve, levemente,
como quem chama por mim.
Será chuva? Será gente?
Gente não é, certamente
e a chuva não bate assim.

É talvez a ventania:
mas há pouco, há poucochinho,
nem uma agulha bulia
na quieta melancolia
dos pinheiros do caminho…

Quem bate, assim, levemente,
com tão estranha leveza,
que mal se ouve, mal se sente?
Não é chuva, nem é gente,
nem é vento com certeza.

Fui ver. A neve caía
do azul cinzento do céu,
branca e leve, branca e fria…
Há quanto tempo a não via!
E que saudades, Deus meu!

Olho-a através da vidraça.
Pôs tudo da cor do linho.
Passa gente e, quando passa,
os passos imprime e traça
na brancura do caminho…

Fico olhando esses sinais
da pobre gente que avança,
e noto, por entre os mais,
os traços miniaturais
duns pezitos de criança…

E descalcinhos, doridos…
a neve deixa inda vê-los,
primeiro, bem definidos,
depois, em sulcos compridos,
porque não podia erguê-los!…

Que quem já é pecador
sofra tormentos, enfim!
Mas as crianças, Senhor,
porque lhes dais tanta dor?!…
Porque padecem assim?!…

E uma infinita tristeza,
uma funda turbação
entra em mim, fica em mim presa.
Cai neve na Natureza
e cai no meu coração.

Augusto Gil




In these parts still not raining, but it is very cold, so I remembered the poem Ballad of the Snow.



Tradução livre do poema para inglês / Free translation of the Poem to English



Beat slightly , slightly,
as he calls for me.
Does rain? Will we?
People are certainly not
and the rain does not hit well.

It is perhaps the gale:
but recently, there poucochinho,
or a needle seething
in quiet melancholy
the pines of the way ...

Who knocks so lightly,
with such strange lightness,
you can hardly hear , feel bad ?
Not rain, nor are we,
Wind is not sure.

I went to see . Snow fell
the gray blue of the sky,
White and light , cool white ...
How long have not seen !
And I miss my God !

I look at her through the glass.
Put all the color of linen.
Passes us and when it passes ,
steps prints and maps
the whiteness of the way ...

I watch these signals
the poor people who advances ,
and notice , among the more
the miniature traits
duns pezitos child ...

And descalcinhos , sore ...
Snow leaves inda see them ,
first well-defined ,
then in long grooves ,
because I could not lift them ! ...

That sinner who is already
suffer torments , finally !
But children , Lord ,
because you give them so much pain ? ...
Why suffer so ? ...

And an infinite sadness,
a deep disturbance
enters me , gets me stuck.
Snow falls in Nature
and falls in my heart.

Augusto Gil



 Até Já / See you Soon,

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...