Um Blogue sobre livros, poesia, filmes, tecnologias informáticas e cultura.

A Blog about books, poetry, films, computer technology and culture.

Translate

Pesquisar / Search

Seguir por E-mail / Follow by Email

terça-feira, 30 de junho de 2009

Fórum RBE (Rede de Bibliotecas Escolares) / Forum RBE (School Library Network)



Este ano assinalam-se 13 anos desde o lançamento da Rede de Bibliotecas Escolares (1996-2009), por esse motivo foi realizado um Fórum na FIL, no Parque das Nações, no dia 26 de Junho de 2009.
Durante todo o dia, diversos oradores expressaram as suas opiniões (ver programa: http://www.rbe.min-edu.pt/np4/?newsId=448&fileName=programa_tratado.pdf) e fizeram um balanço da situação actual. Falaram um pouco do passado, do presente e definiram alguns objectivos para o futuro imediato. O programa foi rigorosamente cumprido.
Do fórum resultaram um conjunto de ideias. Em seguida vou falar daquelas que mais despertaram a minha atenção.
As bibliotecas escolares têm que responder à missão da escola e ao seu currículo.
As bibliotecas dependem de todos os agentes que nela participam, destacando-se aqui o conceito de actividade colaborativa. No caso das bibliotecas escolares é necessário destacar o papel activo de muitos auxiliares, actualmente denominados como operadores técnicos, dos assistentes técnicos e professores ou docentes que, conjuntamente, têm contribuído para o desenvolvimento de uma realidade melhor, desenvolvendo bibliotecas como espaços de aprendizagem abertos a todos os recursos e pessoas. E os recursos humanos devem ser qualificados e estáveis.
Cada vez mais os documentos constituintes do acervo documental devem ser híbridos, abrangendo diversas áreas do conhecimento e representados em diversos suportes e os professores das diversas disciplinas devem colaborar na construção de colecções.
Dentro da biblioteca escolar devem-se organizar bibliotecas digitais da mesma forma que se organizam bibliotecas físicas.
O conhecimento e a informação são palavras com significados diferentes. O conhecimento obtém-se através da transformação da informação, sendo esta, por sua vez, composta por dados. O bibliotecário já não é só um mediador da informação como, além disso, tem de alargar as suas competências pedagógicas e favorecer a aquisição de conhecimentos.
A informação converge com as tecnologias (Internet, formatos multimédia, etc.) surgindo, assim, os conceitos de e-literacia e e-competências, juntando literacia digital, informacional e dos média para contribuir para a melhoria da aprendizagem e sucesso dos alunos.
A literacia da informação ultrapassa o espaço da biblioteca para chegar à sala de aula.
Uma ideia que ficou evidente neste encontro é que a existência de boas bibliotecas escolares contribui para um maior sucesso educativo. Esta afirmação pode facilmente ser comprovada através de inúmeros estudos que foram realizados, nomeadamente, nos EUA, Canadá, etc.
Devem-se produzir tutoriais e promover actos de leitura, pois a criação de hábitos de leitura é fundamental. As práticas culturais sofreram muitas alterações, a leitura atingiu nas nossas sociedades uma grande importância. A leitura é fundamental, independentemente do futuro do livro. Os jovens (nativos digitais) acedem hoje à leitura de uma forma bem diferente do que os seus pais (emigrantes digitais) acediam num passado recente. Deve-se prestar atenção aos gostos e interesses dos alunos.
Será que os jovens lêem? Esta é uma dúvida que paira no ar. Quanto a mim os jovens lêem e muito, mas não lêem aquilo que os adultos querem que eles leiam.
Cada vez mais é fundamental uma maior cooperação entre as bibliotecas escolares e as bibliotecas públicas, podendo traduzir-se esta colaboração no estabelecimento de protocolos de optimização de recursos humanos e materiais.
Durante o espaço de tempo em análise neste Fórum deu-se uma transição do centro de recursos (be/cre) para o novo paradigma de centros de aprendizagem. O balanço destes 13 anos é, segundo António Firmino da Costa, de que “a Rede de bibliotecas escolares teve um crescimento gradual e sustentado”.
Diversos oradores tiveram a palavra durante este dia, muitas ideias e projectos ficaram no ar. Para mim estes foram os aspectos que mereceram maior destaque.


This year to mark 13 years since the launch of School Libraries Network (1996-2009), was therefore held a forum at FIL, Park of Nations on 26 June 2009.
Throughout the day, several speakers expressed their views (see program: http://www.rbe.min-edu.pt/np4/?newsId=448&fileName=programa_tratado.pdf) and took stock of the current situation. They talked a bit about the past, present and set some goals for the immediate future. The program was rigorously enforced.
Forum resulted in a set of ideas. Then I will talk more of those who aroused my attention.
School libraries need to meet the mission of the school and its curriculum.
Libraries depend on all players who participate, especially here the concept of collaborative activity. In the case of school libraries is necessary to highlight the active role of many assistants, now referred to as technical operators, technical assistants and teachers or teachers who, collectively, have contributed to the development of a better reality, developing libraries as learning spaces open to all resources and people. And human resources must be qualified and stable.
Increasingly documents constituting the document collection should be hybrid, covering various areas of knowledge and represented in various media and teachers of various disciplines should collaborate in building collections.
Inside the school library should be organized in the same way digital libraries that are organized physical libraries.
Knowledge and information are words with different meanings. The knowledge obtained by processing the information, and this, in turn, consists of data. The librarian is not only a mediator of information in addition, have to extend their teaching skills and to promote the acquisition of knowledge.
The information converges with technologies (Internet, multimedia formats, etc.). Emerging thus the concepts of e-literacy and e-skills, combining digital literacy, informational and media to contribute to the improvement of learning and student success.
The information literacy goes beyond the library space to get to the classroom.
An idea that was evident in this meeting is that the existence of a good school library contributes to greater educational success. This statement can easily be proven through numerous studies that have been conducted, particularly in the USA, Canada, etc.
Must be produced tutorials and promote acts of reading, since the creation of reading habits is critical. Cultural practices have undergone many changes, the reading reached in our societies great importance. Reading is fundamental, regardless of the future of the book. Young people (digital natives) today accede to reading a very different way than their parents (digital immigrants) had access in the recent past. One should pay attention to the tastes and interests of students.
Do young people read? This is a question that hangs in the air. As for me and very young people read but do not read what adults want them to read.
Increasingly important is greater cooperation between school libraries and public libraries, may translate this collaboration in establishing protocols for optimizing human and material resources.
During the period under review in this forum has been a transition from the resource center (b / cre) to the new paradigm of learning centers. The balance of these 13 years is, according to António Firmino da Costa, that "Network school libraries had a gradual and sustained growth."
Several speakers took the floor during this day, many ideas and projects were in the air. For me these were the aspects that deserved greater prominence.

Até já / See you soon


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...